Páginas

sábado, 31 de março de 2018

31 de Março de 2018

Hoje, se ainda estivesse em vigor, os brasileiros estariam vivenciando 54 anos do Golpe de Estado de 1964. E suas oficiais condições governamentais. Que, segundo o divulgado durante o referido regime de exceção, tinha como objetivo estratégico promover a gradativa democratização política e administrativa do Brasil.

Em 2018 contamos também 33 anos de retomada do Poder Executivo pela sociedade civil, através das eleições que culminaram na posse de José Sarney em substituição a Tancredo Neves. Lamentavelmente falecido às vésperas de assumir a Presidência da República.

Durante o regime de exceção, o Brasil viveu uma condição de orçamento público subsidiado por financiamentos internacionais ao desenvolvimento, um período do chamado "milagre econômico", e notórios progressos em diversas áreas de infraestrutura socioeconômica. Dentre elas: Agropecuária, Educação, Indústria, Saúde e Transportes. E também problemas relacionados à gestão e vivência da ordem política e social ao exercício democrático do estado de direito por excelência. Alguns dos quais gravemente danosos à cidadania e à integridade da família. Pesarosas perdas, algumas das quais irreparáveis, independentes de quaisquer explicações que se possam tentar dar para os fatos de gestão pública ou de interesse público exercidos por atores privados que as geraram. É essencial que se reconheça muito bem isto.

Se "à noite, todos os gatos são pardos", todas e quaisquer ações assemelhadas ao que se faz nos chamados subterrâneos do Poder se confundem com o Governo oficialmente mantido. Não foram somente lideranças do regime as que causaram danos. Entretanto, certo é que muitas das que se conhece, em alguns casos, pareciam lideranças populares sem vínculos com estratégias de Governo. Mas surpreendentemente tiveram expressiva atuação ou como subrrepticiamente ligadas ao mesmo, ou como ambíguas ou dementes expressões de mal definidos marginais. Amorais, inconsequentes e oportunistas. Verdadeiras demências em cínico nome dos direitos humanos, com péssimos exemplos de desempenho moral e cívico. À margem de Partidos Políticos e sem firmes posições quanto ao seu caráter de gestão de ideologias e responsabilidades pessoais. No que tange aos direitos privados e também ao público.

Isto foi um prato cheio para que alguns dos gestores do regime pudessem, aproveitando as confusões causadas pelos incautos, pudessem manobrar a sociedade em entendimentos que objetivamente poderiam ter gerado bons frutos e impedido ruins. Estúpidos e jocosos. Uma realidade, a bem saber, de um país "em desenvolvimento", com precariedades de educação social e formação profissional ponderada. Que, quando não casualmente refletindo fragilidades e má fé, explica imperícias e inconsistências que feriram a família e a sociedade brasileiras em seu cerne de valores culturais e ordem econômica e social. A corrupção, o desmando, o furto, o roubo e a sabotagem de modo geral não foram causados somente pela ação expressa do Estado. E do Estado quando este tendo à frente agentes, quando não limitados somente em caráter, formação e sensibilidades individuais e sociopolíticas, também sujeitos a pressões contextuais. O que tornou mais importante ainda a responsabilidade dos gestores públicos efetivamente da elite ideológica do regime. No que tange ao que foram responsáveis por desvios, improbidades e ineficácias administrativas...

Com a recuperação do Governo pela sociedade civil, antes aos brados por eleições diretas, acusações de obediência ao Banco Mundial ou ao FMI, gestão não democrática ou ruim, entre outras expressões de reinvidicação do estado democrático de direito, tivemos períodos alternados de qualidade de Governo e Estado. Em seus primeiros idos iniciados com posturas que a muitos de nós, "brasileiros e brasileiras", soaram frágeis e ignóbeis para com o que efetivamente vivíamos. Do que foi mantido progressivamente um ambiente de insegurança política expressivo quanto à eficácia e importância institucional do Estado e do direito público.

Discursos eloquentes, projetos mal feitos, promessas não cumpridas, qualidade questionável, resultados ridículos... Entre o que, além de fugas do trato da coisa política e social, por parte de gestores e mandatários das diversas instâncias dos Três Poderes, temos menções a projetos de ferrovias com bitolas obsoletas para os tempos contemporâneos, e projetos megalomaníacos envolvendo bilhões orçamentários que até hoje não alcançaram objetivos apregoados populistamente. E uma estrutura de serviços públicos deficiente, ineficaz e inspiradora de profundas preocupações a todos os que dependem deles. Ou que podem precisar deles a qualquer momento. Tudo divulgado pelos meios noticiosos. Em que hoje temos também as redes sociais, importantes recursos de comunicação democrática diante de deficiências ou tendenciosismos por parte da Imprensa. Em alguns casos específicos e gritantes em que sua participação foi adequada, democrática e habilmente solicitada... Outro prato cheio para gestores públicos duvidosos ou questionáveis a bem...

Estamos hoje como estamos, na iminência de um novo processo eleitoral. Com limitações de caráter político e social. E com um prestígio internacional bem aquém do que inspirou créditos ao desenvolvimento durante o regime de exceção. Subsidiado por grandes economicas mundiais, que hoje não têm tanto conforto como antes para confiar a nós o seu suporte de financiamento ao desenvolvimento.

É questão de bom senso à boa ordem das coisas nos conduzirmos respeitavelmente para não sofrermos o horror ou o terror que prevalecem sobre os covardes, os desleixados, os displicentes, enfim, os que brincam com a vida... Sim, a bem lembrar, há muito não temos a disciplina de Ordem Social e Política do Brasil integrando nossas grades curriculares como antes salutarmente o tínhamos... Como que somente importa a Governo construir estradas, pontes e redes de eletricidade e telecomunicação...


sábado, 17 de março de 2018

Engodo na Renovação da CNH no Brasil

O Governo do Brasil, através do seu DENATRAN, trouxe mais uma "novidade" para as preocupações com qualidade e segurança no trânsito: obrigatoriedade de novos cursos de qualificação para condutores de veículos automotores... 

Mais um absurdo que, no mínimo, atestaria que os cursos de formação qualificativa para condução de veículos automotores, nas suas premissas para a primeira habilitação de cada uma das categorias de condutores, não valeriam nada... Uma confissão de que os exames preparatórios para habilitação de condutores não satisfazem. Uma verdadeira piada... Caso em que, não deveria sequer haver a expedição da primeira habilitação...

Mais um ridículo engodo governamental brasileiro... Com ridículas leis penalizadoras e medidas de fiscalização piores ainda... É isto o que temos projetado até mesmo nas mais precárias mentes de nosso povo. Senão do mundo inteiro... A propósito, como os demais países do mundo passam a nos ver também a partir desta condição que, creio poder dizer, é mais uma aberração de gestão pública que os brasileiro têm?

Vejo a presente medida como mais um grave desrespeito ao povo brasileiro, "uma encheção de linguiça", uma "mostração de serviço" sem fundamento. Sem graça e revelando inépcia e negligência governamental ao que o Estado deveria ser eficaz... Uma imoralidade moral e cívica. Uma brincadeira com a nossa cara...