Páginas

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Falta Um Botão Nos Smartphones!

Smartphones são aparelhos abençoadamente valiosos nas telecomunicações mundiais. Talvez as melhores opções dentre todas as disponíveis na história da humanidade. Verdadeiros micro notebooks com funções de telefonia ou vice-versa de acordo com a utilização que cada um de nós faz do seu! Uma maravilha tecnológica, sem dúvida! Vieram para ficar! Até rádio e tv portáteis de alta definição temos com eles! Uma maravilha, sem dúvida nenhuma!

Mas, "ô, coisa ruim" quando temos dificuldades de atender um telefonema com eles por limitações operacionais da tela pelo toque de nossos dedos! "Ô coisinha ruim" que acontece vez por outra! Nem todo momento em que recebemos uma chamada temos nosso dedo sequinho e uma condição "perfeita" para acionar o recebimento! E isto várias vezes nos proporciona a perda da ligação. E com ela a de concentração e tempo requeridos a importantes afazeres. E com isso algumas vezes tem "celular que sofre"! E "como sofre"...! Tem dono que somente não joga fora porque tem a graça da inteligência e associada relativa complacência. Um verdadeiro senso de limitada dependência! Se jogar fora ou quebrar, piora!

Quando problemas como este são vivenciados por pessoas altamente concentradas em assuntos de par importância, ou em momentos de emergência, por exemplo de acidentes, catástrofes, crises de naturezas diversas, a coisa então vira problema grave e sério. Resultando em desesperados desabafos, estresse agudo e outras consequências. Acabo de mais uma vez ter terríveis dificuldades em atender um telefonema através das opções de toque na tela. Justamente num momento em que a concentração em atividades produtivas requeria um ideal funcionamento de todos os equipamentos utilizados. Inclusive do mencionado de utilidade de vanguarda!

Pessoas de diversas condições ocupacionais são assim frequentemente afetadas em seu bem estar e qualidade circunstancial de vida! Triste realidade! Usuários em atividades administrativas, educacionais, médicas, rurais e urbanas. Em necessidades de comunicação eficaz, locais, nacionais e internacionais.

Acredito que uma solução prática para este problema por vezes crucial seria a disponibilização de um botão convencional com a função de recebimento de chamadas nas laterais ou na parte frontal dos aparelhos. Um botãozinho só, do tipo analógico tradicional, com mecânica semelhante aos que utilizamos para ligar e desligar! Que nos proporcionaria um extraordinário e simplificado conforto para simplesmente atendermos o telefone! Com qualquer condição de desconforto ou limitação que a grande maioria dos usuários ao menos um dia já teve para confirmar o recebimento de uma chamada exclusivamente "arrastando um dedo na tela"!

Um produto tão útil e com tanta tecnologia não pode ficar sem uma solução tão simples!

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Sobre o demônio, o inferno, a Terra e a humanidade

Ultimamente tenho tido algumas inspirações matinais sobre condições relacionadas a espiritualidade e valores relacionados. Uma delas a que aqui partilho com as primeiras frases do próximo parágrafo. Que vale muito partilhar, por tudo o que está aqui apresentado.

O demônio odeia o inferno. Usa a humanidade na Terra, onde ele é "o príncipe do mundo", como refresco da condição infernal que tem em seus redutos. Aqui ele se refresca aproveitando-se dos distraídos, imprudentes, incautos, inocentes. Que sensibilizados pela sua astúcia, não orantes e não vigilantes, permitem-se praticar as besteiras, os comodismos e os males que ele sutilmente sugestiona a nós praticarmos. Se não houvesse a Terra com a humanidade suscetível a sua ação destrutiva e repleta de maldade e rebeldia do mais condenado de todos os condenados, ele não teria como usufruir um minuto, um segundo sequer, de refrigério relativo ao inferno que é o seu reduto...

Pensemos todos nós nisto, multipliquemos isto, busquemos e propaguemos a sabedoria legada por Deus, oremos e vigiemos. "Porque o espírito é forte mas a carne é fraca." "Glória a Deus nas Alturas, e paz na terra aos homens por Ele amados." "Ai do tímido." "Ai de quem não procurar a sabedoria." "Ai de quem não propagar a sabedoria."

Sim, lembremos sempre disto: o demônio odeia o inferno e usa todos os de nós que consegue coordenar como meio de refresco à condição desgraçada do seu reduto. Amemos a Deus sobre todas as coisas. A Ele cujo Espírito Santo "persegue até o maior dos pecadores, com gemidos inefáveis, para que se converta e viva". Amemos e façamos amar.

Não tenhamos o menor receio de combater o Bom Combate como adversos inimigos do demônio. Não hesitemos nisto. Ele é nosso inimigo e lucra muito e muito com nossa alienação e indiferença ao que possamos não assumir sermos seus assumidamente adversários.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Consultor Respeitado Tem Poder

Sofrível condição têm gestores públicos que não consideram a opinião ou o conceito que internacional e nacionalmente respeitados Consultores Organizacionais  em Administração e Negócios, e ainda em Política e Segurança Institucional, têm sobre o seu desempenho.

Sejam de ordem política e social, sejam arrogados ao exercício velado ou não de poder de polícia nas estruturas associadas ou projetadas a Governos em que estão inseridos e respectivos suportes que utilizam para suas atividades, não têm o menor senso de valor quando agem de modo desgastante à sua reputação. E assim dos seus Governos.

Cometendo desmandos atentatórios contra a democracia, a lisura na gestão das coisas públicas e o direito econômico e privado de modo geral, incorrem em grave condição de serem essencialmente determinantes como danosos fatores de classificação de suas nações. Ou de seus Governos. Nacional e internacionalmente.

Nisto temos, por exemplo, o valor do parecer profissional, apenas tecnicamente considerável ainda que isto envolva critérios de avaliação de desempenho político-administrativo e associado, que Consultores como eu podem significar. Tanto para classificação do Brasil quanto para a de qualquer outro país que lhes seja concernente fazê-lo.

Nisto temos que atividades relacionadas a direito econômico e social, desempenho governamental, integridade e relações institucionais, qualidade democrática e de gestão pública, em todos os aspectos relevantes consideráveis, são componentes básicos de uma planilha de fatores.

Assim, quando precisamos contar com pareceres valiosos, o valor do respeito que o Governo e lideranças de governança de uma nação têm no conceito de pessoas qualificadas para classificá-las é fundamental. Do que profissionais com compatíveis condições decerto deveriam, ao menos eles, serem considerados com pelo menos a prudência requerida a quem a qualquer momento poderia precisar do valor de sua isenta opinião.

Classificações como as de responsabilidade das agências de avaliação econômica em que graus de especulação ou investimento, dentre outros na gama de fatores a isto compulsoriamente relacionados, são tão determinantes quanto, em alguns casos, a opinião de chefes de Estado no âmbito de suas competências constitucionais e técnicas.

Gestores públicos, seja no campo econômico seja no de outra competência administrativa, deveriam jamais ser alienados com relação a isto. Mais ainda quando cônscios ou dispondo de referências a que estariam sujeitos ao crivo de lideranças econômicas e políticas internas e internacionais, privadas e públicas. Pelo que desprezar esta condição ignorando as condições de todos num contexto compartilhado é, no mínimo, uma imprudente aberração. Que reforça classificações restritivas ao que representam em Governos e nações nos quais exercem influência e poder...

Não há gestor nenhum fora desta realidade. Aqueles que a ignorarem, e os que os sustentarem em afrontas e erros, demonstrariam que não entendem nada de ordem institucional e de respeitabilidade associada. O que serve também para gestores de toda atividade concernente a relações internacionais. Bilaterais ou multilaterais... 

Quem acha que pode tirar proveito de consciências pessoais de cidadania e responsabilidade moral e cívica, para fazer e desfazer sem respeito ao direito e à normalidade essencial da ordem econômica, política e social, demonstra assim ignorar o que é essencial para governança. Pública ou mesmo privada... Tem inconsequência absoluta sobre os seus atos, e não serve ao interesse público. É prejudicial ao mesmo...

Se eu tiver que apresentar um parecer hoje classificando o Brasil, qual classificação você acha que eu responsavelmente poderei considerar?

Palavra de Consultor...

domingo, 15 de novembro de 2015

Sobre a Vida Após a Morte

Na primeira leitura da liturgia católica de hoje, temos uma importante menção profética de "muitos dos que dormem no pó da terra".

Na vida da Igreja temos registros reconhecidos de comunicação pós morte conosco de vários dos que já deixaram esta fase da vida. Alguns inclusive materializadamente, tatilmente vivenciados.

Disto tudo, no mistério da vida a quem não ainda não vive a plenitude dos eleitos de Deus, podemos considerar a possibilidade de que muitos dos sepultados poderiam estar simplesmente aguardando a ressurreição dos mortos para seguirem aos seus respectivos destinos. E que outros não. Estes já teriam suas condições definidas. Dentre o que temos também a condição do Purgatório. Recentemente abordada por mim em Dia de Finados, Purgatório e Sepúlcros.

A Bíblia, entretanto, composta em parte  com base em referências de tradição oral e redação de alguns livros muitos anos após os relatos neles registrados, apresenta pequenas partes de seu conteúdo com certas imprecisões de realidades. O que não prejudica o sumo do seu conteúdo e o legado de instruções e sabedoria divina nela providenciado por Deus.

Esta reflexão tem origem na prudência em relação ao destino de pessoas com quem convivemos e nos deixaram com um legado confuso e contraditório de exemplos e referências danosas. Pessoas que, por suas fragilidades e reflexos recebidos de outras com estúpidas e ignorantes ações, não temos condição de estimar assegurada a salvação ou tampouco a condenação. Das quais até hoje vivemos prejuízos pelas influências dos seus atos. Pessoas débeis, frágeis, hesitantes, inseguras, não assumidas quanto à verdade do direito e da justiça no discernimento da fé. Do que podemos nos ver, hora ou outra, na contingência de considerar se Almas que deixaram legado de tanta confusão para trás teriam condição de ainda com seus efeitos já estarem nas graças pós Purgatório. Nas graças da paz em plenitude.

Sobre esta mencionada "paz em plenitude", poderia ser ela atualmente uma condição relativa. Apenas de segurança em relação a perturbações pelo demônio. Porquanto temos que Jesus, mesmo Jesus, não está vivenciando integralmente a paz em plenitude. Pelo que temos de revelações do Seu sofrimento pelos desmandos e pecados da humanidade expressados pelo que Ele nos mostrou com Seu Sagrado Coração. O Bom Combate somente terminará com o Juízo Final, o que se dará no Último Dia somente. 

Assim sendo, poderíamos considerar que as Almas que nos deixaram legados causadores de danos e perturbações, pela misericórdia e sabedoria divinas, poderiam estar em graças assemelhadas. Em que também estariam sujeitas aos sofrimentos dados pelo conhecimento dos problemas ocorridos na Terra, em especial pelos dos seus atos derivados. Mas amparadas pela grandeza do perdão e da reconciliação em Deus, intercedendo por nós com suas orações e súplicas nos Altos Céus.

A seguir, o texto litúrgico mencionado:

Leitura da profecia de Daniel:: Daniel 12, 1-3

1Naquele tempo, se levantará Miguel, o grande príncipe, defensor dos filhos de teu povo; e será um tempo de angústia, como nunca houve até então, desde que começaram a existir nações. Mas, nesse tempo, teu povo será salvo, todos os que se acharem inscritos no Livro. 2Muitos dos que dormem no pó da terra, despertarão, uns para a vida eterna, outros para o opróbrio eterno. 3Mas os que tiverem sido sábios, brilharão como o firmamento; e os que tiverem ensinado a muitos homens os caminhos da virtude, brilharão como as estrelas, por toda a eternidade.

Fonte: Boletim da liurgia diária distribuído pelos Arautos do Evangelho

Disto tudo temos que a verdade em plenitude é um mistério que a Deus pertence...!

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Intervenção Militar no Brasil, Nunca Mais...! Tampouco Ditadura Civil...


Acho que nem louco para admitir um novo regime ditatorial militar, nem civil, no Brasil! Democracia, normalidade democrática, estado de direito, livre arbítrio, livre negociação, exercício moral e cívico responsável, isto sim é solução para o Brasil... 

Entreguismo ao Estado é comodismo ignorante... E militar algum aprecia isto... Militar algum apreciaria tomar conta de uma sociedade civil que podendo não cuida ela mesma dos seus haveres. 

Por que estes que clamam por uma nova intervenção não se põem ao exercício da militância político-partidária regular e candidatam-se à defesa dos interesses nacionais, dos interesses públicos, da ordem de Governo? Estão achando que militar é burro de carga de quem não quer nada? Não é burro de carga nem de quem quer, quanto mais de quem não quer...

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Dia de Finados, Purgatório e Sepúlcros

De algumas aparições encarnadas de fiéis mortos de que tenho conhecimento, temos a de um frade capuchinho que apareceu a São Pio de Pieltrecina. Numa Igreja que ele estava fechando após uma Missa vespertina.

Durante o diálogo que eles mantiveram, o Frei disse a São Pio que estava no Purgatório e lhe informou que ele havia sido designado por Deus para determinar quando o Frei sairia. Tudo porque o Frei em vida teve um profundo conhecimento da Teologia e passou inúmeras vezes em frente ao Sacrário sem fazer a genuflexão de reverência a Jesus ali presente vivo no Santíssimo Sacramento da Eucaristia. Se não me engano foi nessa conversa que soubemos, através do depoimento do Frei que deu um grito estarrecido pelo que iria passar ainda em uma noite no Purgatório, que "é melhor ter mil anos de sofrimento nesta Terra que um único dia de padecimentos no Purgatório". A dor do arrependimento e do remorso diante de Deus reconhecido pelo peso de nossa memória na plenitude, que vivenciamos após a morte, é de uma imensidão profunda.

Esta é apenas uma das evidências que temos no âmbito da Igreja Católica, a respeito da efetiva existência do Purgatório. Dentre outras tantas em que temos referências sobre o valor da oração pelas Almas nele padecentes. No Purgatório não há Alma com risco de condenação ao inferno. Todas as que lá estão entrarão no Paraíso. Mas o padecimento é terrível. Pelas dores de arrependimentos e remorsos as mais variadas.

A importância da atenção presencial aos nossos familiares mortos, pela conservação, proteção e visita dos seus corpos sepultados, é reforçada também pelo que temos no único livro da Bíblia que tem um só capítulo: a Epístola de São Judas. No seu versículo 9 temos referência a providências de defesa do corpo de Moisés, pelo Arcanjo Miguel, diante da tentativa do demônio de se apossar ou ter domínio provisório sobre ele. Isto demonstra o valor sagrado e transcendental dos corpos dos fiéis mortos. A mística da vida se estende também no espectro da potencialidade sagrada da memória e da ressurreição de todos os eleitos ao Paraíso do Senhor.

Sobre estes temas, leia o artigo do Prof. Felipe Aquino hoje distribuído sobre o Dia de Finados e a matéria Fascinantes Objetos que han Dejado Almas del Purgatorio que Visitaron la Tierra. Na qual há enriquecedores vídeos com registros de comunicações de Almas então presentes no Purgatório com alguns de seus entes queridos carentes de conversão e discernimento ainda nesta vida. E ainda sobre o Museu dos Esqueletos.