Páginas

domingo, 26 de julho de 2015

Céu ou Inferno: Uma Incontestável Satisfação...

Segundo a verdade alicerçada na fé ao que temos como a nós revelado por Deus, após termos concluída nossa vida material na Terra, nos deparamos com a grande hora da verdade. A hora do "vamos ver como é que fica", a hora da justiça final individualmente aplicada.

A vida na Terra tem uma importância extraordinária para cada um de nós. Com ela podemos assegurar ou perder definitivamente todas as nossas chances de viver a grandiosidade da paz eterna em plenitude. A vida sem augruras, na glória de Deus aos Seus eleitos. Pelo que dizer que esta vida não vale nada é uma lamentável contradição. Todas as nossas ações e omissões aqui nos conduzirão ou ao Paraíso ou ao Inferno. Do que vivenciamos reflexos mesmo antes de nossas mortes: acidentes, curas, doenças, êxitos, fracassos, infelicidades, percalços, prosperidades, reconhecimentos, reprovações e tantos outros resultados.

Logo após a morte, temos uma abertura completa da nossa consciência diante de Deus. Do que estamos fadados à condenação ao Inferno ou à paz dos qualificados para o Paraíso. Segundo a fé cristã, em especial no reconhecido pela Igreja Católica Apostólica Romana, alguns com necessidade de purgação quanto a culpas mal resolvidas, mágoas, maturações, rancores, ressentimentos e outros problemas com os quais não podemos participar da vida no Paraíso. 

Sobre o Paraíso, importa reconhecer que, como o próprio nome o sugere além do revelado segundo os desígnios divinos, é uma condição de dimensão, lugar e população onde nenhum de seus habitantes consegue enxergar ou viver um só dano, um só problema por menor que possa ser considerado. É onde temos a felicidade em plenitude, perfeita e santa! Impossível sofrer qualquer coisa de ruim por lá. Impossível sentir qualquer sentimento que perturbe a felicidade ou a paz. Absolutamente assim. Um local onde Deus jamais lamenta a condição de sequer um só de seus habitantes. Paz absoluta, felicidade plena, inclusive para Deus.

Sobre o Inferno, a situação é o inverso. É uma condição de dimensão, lugar e população na qual todos os seus habitantes, em todo lugar e momento, enxergam "choro e ranger de dentes", desprezos e destratos, ignorância prostrada, lamentações as mais diversas, ocasionais perseguições malignas aos condenados e outros fatos naquela infelicidade perpétua possíveis. Lúcifer por lá não tem nenhum prazer pela companhia dos a seu poder sujeitos. Todos são almas desprezíveis que fizeram por onde estar lá. Almas que dificultaram e prejudicaram em muito as expectativas de salvação e a qualidade da vida humana na Terra. Além das legiões de anjos maus que junto com Satanás foram expulsos do Paraíso sob o comando do Arcanjo Rafael, o Príncipe da Milícia Celeste. Portanto, o Inferno é um local onde nem o seu maior mandante tem prazer sequer com um dos seus habitantes. Para onde quer que ele olhe, há sempre a alma de uma criatura humana que teve a capacidade de não considerar abençoadamente as inúmeras chances de reconciliação com o Senhor. Almas que não fizeram questão de qualquer esforço abençoado pela paz, pela qualidade de vida digna do ser humano. Vaidosas, não providenciaram o que lhes foi possível à salvação disto tudo. É um desprazer geral, do primeiro ao último. Sendo que o primeiro, quando lhe convém, agrava as condições dos a ele sujeitos ao seu livre gosto. Do que todo sofrimento resultante somente cessa de acordo com o que ali é relativamente possível. Ali, sim, temos a verdadeira "crise"...

Deus é bom, perfeito, santo. Infinitamente misericordioso. Mas é justo. Sua misericórdia se dá até o último suspiro dos mortais humanos. E Seu jugo é onisciente e onipotente. Seu Espírito Santo persegue até o maior dos pecadores, com gemidos inefáveis, para que ele expresse profundo arrependimento e desejo de reconciliação diante dos erros que cometeu, dos males que praticou. Com gemidos inefáveis porque os maiores pecadores têm uma condição tão rude que isto lhes limita a ser sensíveis a palavras... Mas não a gemidos como os gemidos de uma criança ou de uma criatura indefesa exposta ao sofrimento... Com os gemidos inefáveis, portanto, Deus tem o último recurso em comunicação audível com o que pode tentar despertar nos maiores pecadores o que neles há de potencial amor, humildade e vida a bem.

Bem, nisto tudo temos uma verdade "nua e crua". O fato de uma alma ter sido condenada ao Inferno ou ter sido aprovada para a felicidade do Paraíso é uma satisfação incontestável. Para Deus e para todos os Seus. Mesmo isto implicando em toda a desgraça acima mencionada para os condenados ao Inferno. Porque isto é justo. Porque Deus idealizou para os Seus eleitos a vida da paz em plenitude somente para aqueles que não justificaram o inverso do Inferno. Do contrário não seria condigna a condição dos eleitos. Deus não Se compraz por uma só alma perdida para o Inferno. Mas tampouco por uma só dentre as indignas presente no Seu Paraíso Celeste... 

Portanto, sejamos nós ou tenham sido alguns ou vários dos nossos amigos, familiais ou próximos conhecidos, condenados ao Inferno ou premiados ao Reino dos Céus, isto é uma incontestável satisfação. Porque é harmonia para com a justiça divina... Não há uma só alma no Paraíso chorosa por causa da condenação ao Inferno de uma ou duas ou três ou mil dentre tantas que conheceu. No Paraíso, não há espaço sequer para se lamentar por elas.

Graça, bem, sabedoria, paz e vida em plenitude. Porque isto leva ao Paraíso. Mesmo que você acredite estar entre os maiores pecadores...

"Convertei-vos e crede no Evangelho." (Jesus de Nazaré, Jesus de Deus)

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Casar Por Causa de Sexo por Sexo?! Loucura!

Alguém que acabou de presenciar minha comunicação com uma amiga, bela e refinadamente educada amiga, por sinal, insinuou com sua natural estupidez que, se por acaso casássemos, então sexo não seria mais uma ausência. Algo neste imbecil sentido. Ignorando ou maculando mesmo todo o sentido de um matrimônio.

Sexo por sexo podemos fazer até sozinhos, nos masturbando. Com a garota ou o garoto de programa, a prostituta ou o travesti mais próximos que possamos pagar. Com bezerras, cabras, cadelas, éguas, jumentas, patas, porcas, potrinhas, e também machos da mesma natureza. Mulher com mulher dando ou não jacaré, homem com homem dando ou não lobizomem. Também podemos realizar entre familiais, incestuoso mesmo. Sexo adúltero e de todas as formas mais que nossas condições possam proporcionar.

Sexo por sexo não requer necessariamente compromisso ou qualidade cultural. Apenas animal.

Já quando temos em conta constituir uma família, sexo é apenas parte de um conjunto de valores. Um laço matrimonial entre um homem e uma mulher ao mais natural e recomendável com plenas condições de reproduzir a vida humana. Sem artifícios ou discrepâncias ao que a natureza nos proporciona e Deus abençoa.

Casamento implica em conjugação de compatibilidades e valores. Educação, fé, gosto, natureza, propósitos de vida, religião e tudo o mais que isto envolve. Critérios de educação dos filhos, modelos de vida em comum ao desenvolvimento da humanidade por excelência. Cultura geográfica, nacional, política e relações institucionais ou sociais. Felicidade temporal e para depois desta vida. Quando o que tivermos casado aqui realmente será consagrado no que podemos chamar vitória eterna por termos bem combatido o bom combate. Com dignificante humanidade ao amor que enobrece e liberta. Não ao que nos satisfaria apenas como animais...

Casar só pra ter sexo? Loucura! Estupidez sem mais! 

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Reconciliação, Já! É Urgente...!

Há poucos dias ocorreu-me uma analogia entre o ar puro do hálito do Senhor, que Ele soprou para fazer o homem viver e também curar enfermos. Comparando-a em relação à fumaça ingerida e expelida pelos fumantes.

Hoje enviei uma mensagem para meu irmão, a qual finalizei com a reflexão abaixo. Que de tão profunda que ficou resolvi partilhar de público.

O Senhor soprou seu hálito puro na boca e no nariz do homem que criou a partir do barro e o homem viveu. O homem fumando ingere e expele fumaça, com centenas ou milhares de elementos químicos nocivos e poluentes, contribuindo assim para que se respire similarmente ao que se dá no Inferno... Façamos, portanto, como o Senhor orienta, tudo o que podemos para a causa da nossa salvação, nossa e do mundo inteiro. Concorramos assim, ainda que isto possa nos ser temporalmente constrangedor ou doloroso, humildemente inteligentes a que toda reconciliação entre nós e nossos próximos, e todos os que precisem dela, se dê o mais cedo possível. Não deixemos para a hora do julgamento final de cada um de nós. Todos os desconfortos que precisarmos passar por esta reconciliação aqui são profundamente menores que aquele que teríamos diante do Senhor na hora do nosso julgamento. E menos ainda que aqueles a que estarão sujeitos todos os de nós que, não condenados a não participar da glória de Deus no Paraíso após o Juízo Final, precisarem ser purificados nas augruras do Purgatório... "Melhor é viver 1.000 anos de sofrimento nesta Terra que um só dia de padecimentos no Purgatório."

Oremos e trabalhemos por nós e pelo mundo inteiro. Oração e ação.

Graça, bem, sabedoria, paz e vida em plenitude. Vivamos e façamos viver.

O Senhor nos instruiu: "Vós tendes o dever de manter-vos vivos."

terça-feira, 21 de julho de 2015

"O Que o Brasil É...?!!!!"

Uma das respostas que podemos dar àquela velha imbecil pergunta "O que o Brasil é...?!!!!":

Pergunta aos gestores e mandatários eleitos do Brasil que passam do limite no exercício de suas gestões de poderes públicos. Pergunta aos gestores públicos responsáveis por projetos porcarias implementados com o orçamento público. Pergunta aos gestores públicos que brincam em serviço e não observam a urbanidade na interação com o povo. Pergunta a eles o que eles fazem no Governo... Pergunta também ao povo, ao povo todo, o que é o Brasil... E o que ele faz em relação aos sentimentos bons e aos ruins, sobre o que reconhece ou vive do Brasil...

sábado, 11 de julho de 2015

Mãezinha do Céu, eu não sei rezar...?!!!

Acabei de comentar uma postagem compartilhada no Facebook justamente por um Padre com quem tenho especiais relações de amizade. 

A postagem mostra um artista cantando a conhecida oraçãozinha ensinada piedosamente por avós, pais e tutores a muitos de nós: "Mãezinha do Céu, eu não sei rezar, só sei repetir eu quero te amar..."

Isto precisa mudar, é grave e prejudicial à qualidade espiritual cristã. À pujança da essência da fé católica e cristã de modo geral. Pelo que comentei o seguinte:

Se diz que não sabe rezar, é porque não aprendeu a Ave Maria ou o Pai Nosso, está mentindo ou está alienado ou brincando...! E referir-se à poderosa Rainha da Paz, Esposa Rosa Mística de Deus Todo-Poderoso, como "mãezinha" é infantilidade pra manter cristão alienado por várias maneiras...! Imaginem Ela ouvindo esta "oraçãozinha" após em algum momento ter ouvido nós rezarmos a Ave Maria ou o Pai Nosso! Decerto poderia lamentar muito nossa alienação... Verdade... Não é brincadeira, não... Uma das razões de precariedades vividas por nós no âmbito da sociedade católica é a prática ilusionista desta oração sem procedência... Somente poderia fazê-la quem realmente não sabe rezar pelo menos a Ave Maria ou o Pai Nosso... Os Céus precisam sempre ser levados a sério, verdadeiramente de forma correta, perfeita, santa...

Graça, bem, sabedoria, paz e vida em plenitude.