Páginas

domingo, 31 de agosto de 2014

Nenhum Político?!

Acabo de ler uma postagem alusiva "aos políticos". Dentre muitas que temos nas redes sociais e que proliferam especialmente em época de eleições.

Em seu conteúdo fala-se que "nenhum político vai fazer algo de bom para você, a não ser que você esteja de conluio com ele", e que os políticos não pensam no povo e na Nação, apenas visando tirar proveito dos cargos que ocupam", que "não representam os cidadãos e apenas se utilizam deles para se elegerem". Concluindo com a recomendação de que "jamais confiem neles". E de que "necessário se faz a mudança dos que estão no comando do país" e "uma eleição com cidadãos honestos e capazes". Encerrando finalmente que estes mesmos cidadãos "estão recolhidos diante de tantas sujeiras..."

Ora, senhoras e senhores, somos todos animais políticos... E política não se faz somente pelo voto eleitoral. Mas quotidianamente... Voto é apenas instrumento de investidura em mandato temporário. Temos o dever moral e cívico de não considerar a oportunidade do voto como "a mais importante de nossas vidas". Como sugere estupidamente propaganda da atual campanha governamental associada às eleições 2014.

A hora mais importante de nossas vidas é a hora da morte. A hora em que ficaremos de frente para Deus e estaremos na iminência do julgamento após nossas vidas em que teremos então a confrontação sobre o saldo de nossas ações más e ruins. Sobre nosso amor pela verdade e pela vida. Sobre nossa atitude e nossa conduta diante das oportunidades de exercício da caridade sem a qual a fé de nada vale... Um imbecil, ou uma imbecil, ou uns imbecis, quem responde pela menção midiática aqui tratada. Tão imbecil que faz mídia para nós como se nós o fôssemos. Nós decisivamente não o sendo a tanto... Uma estupidez de Governo, de Governo Federal do Brasil... Uma porcaria do nosso Governo, do nosso Poder Executivo. Ou seria esta mídia produzida sob os auspícios do Judiciário?!

Bem, digam-nos que nunca político nenhum fez algo de bom para nós. Demonstrem isto... Duvido que o consigam... Estamos cheios de exemplos de concidadãs e concidadãos favorecidos particularmente por políticos. E não políticos em "conluio". Mas em coligação ou ações independentes a solucionar problemas econômicos, logísticos, políticos ou sociais de indivíduos ou grupos que conhecemos. Exemplos temos aos montes...

Concidadãos "recolhidos diante de tantas sujeiras" não deveriam assim estar. Isto é marginalismo institucional, descaso político por parte de seres políticos por natureza. Que não é o meu caso, como é de público conhecimento. E também de muitos concidadãos e concidadãs de nosso País que conheço...

Embora saibamos, também, que "tantas sujeiras" muitas vezes não são atos propriamente de responsabilidade dos políticos eleitos... Embora possam todos eles, senão ao menos sua grande maioria ou uma boa parte deles, diante de certa inanição frente aos apelos e encaminhamentos populares a solução de problemas estes sim não tratados a boa solução, estar de fato em "conluio". Conluio não expressamente com mandatários eleitos. Mas com outros atores governamentais ou governativos. Em desrespeito aos preceitos de normalidade processual e ordem pública instituída essencial à democracia...

Concidadãos "recolhidos diante de tantas sujeiras" deveriam ter vergonha de assim estarem. Pois, resolver o que de próprio haver é dever. Jamais amparado pela covardia ou pelo comodismo. Ou ainda pela rebeldia ou vaidade de quem deixa a solução dos problemas menos fáceis "para o Governo". Ou "pros home"...

O problema político dos brasileiros é considerar política um assunto que cidadão comum somente deve considerar e trabalhar para votar... "Votou, pronto! Vamos pra cerveja, pro futebol, pro samba, pra galera e o resto que se dane que eu quero mais é me arrumar..." Diante do que político que se presta ao respeito não é imbecil para dedicar respeito mais que o merecido...