Páginas

sábado, 24 de agosto de 2013

Câncer: Fatores Contemporâneos de Leucemia

Acabo de comentar uma postagem feita por uma amiga no facebook. Em que a mesma relata um problema sério de uma terceira pessoa que acaba de receber o diagnóstico de que está acometida de Leucemia, um dos mais frequentes tipos de câncer atualmente. Com potenciais cada vez maiores, pelo que expus a ela. Que abaixo compartilho.


Tem tanta coisa que causa Leucemia hoje em dia. Mas a mais frequente é o famoso controle remoto... Inclusive os terminais de controle de movimento ambiental... A cada acionamento do controle ou resposta dos sensores de movimento em que eles mostram ou não as evidências de presença física ou movimento, os mesmos emitem um feixe de raios infravermelhos, de centenas ou milhares deles, que atuam no ambiente passando por meio dos corpos carnosos, todos, ricocheteando em paredes e objetos com similar condição de resistência, inúmeras vezes até perderem a força. Isto a longo prazo, ou menor conforme a sensibilidade orgânica de cada pessoa ou animal, concorre fortemente ao desenvolvimento desta famigerada leucemia, uma doença cada vez mais comum em tempos de tantos controles remotos: da poltrona para a tv, o cd ou o dvd; do carro para o portão da casa ou da garagem; de monitores de segurança privada e pública; e tantos mais...

Temos portanto o que se chama de dano invisível ou ameaça silenciosa à saúde. Decorrente da acomodação e também requerimentos socioeconômicos relacionados à evolução tecnológica e necessidades de segurança. Em que providências podem ser tomadas para minimizar os efeitos nocivos a que todos estamos expostos na vida contemporânea. O conforto da poltrona ou do sofá, além de não favorecer à movimentação salutar, expõe mais aos "preguiçosos" que aos "espertos"! Ficar esperto também é preciso...

Bem, este artigo deve-se ao que eu lhe desejo: Saúde...! 

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

Se o Governo de Cuba não disponibilizar os R$10.000,00 de salário individual considerado diretamente aos médicos cubanos admitidos a trabalhar no Brasil, essenciais ao seu sustento essencial a contento, o Governo do nosso país vai ter que desembolsar outros R$10.000,00 para que eles possam se manter em condições de satisfação ponderada para com a realidade socioeconômica brasileira em que eles estarão inseridos... Bancando assim a ditadura comunista cubana, com ônus adicional ao nosso orçamento público... Um bom negócio para um Governo que tem o socialismo como base de sua plataforma eleitoral...

Nosso Governo admitir dispor de profissionais de medicina sujeitos a critérios estatais arbitrários, para utilizá-los em nosso sistema público de saúde, é realmente algo surpreendente... Um critério estranho para um Governo eleito diretamente pelo povo, dito democrático e interessado nos direitos individuais e na justiça social concernente. Que faz com que questionamentos possam se dar, sobre seu respeito ao ser humano, no caso a cada um dos médicos cubanos admitidos para seu programa emergencial brasileiro. Ao menos quando se analisa o assunto com parâmetros de sustentação do livre arbítrio individual da pessoa.

Caberia aqui também outra questão: teriam os milhares de médicos cubanos inscritos para participar deste processo feito suas inscrições de livre arbítrio? Ou seriam eles objeto de uma decisão arbitrária estatal cubana, em contrapartida ao apoio que vem sendo ostentado pelo Governo de nosso País?

Ademais, as condições sociológicas concernentes às relações familiais dos médicos cubanos em vista do programa são restritivas a suas participações acompanhados de seus familiais. O que reforça as projeções de que eles tenham sido compulsoriamente inscritos neste processo. Ignoradas pelo Governo do Brasil suas premissas essenciais de ordem familial, em que "o interesse público" sanitário brasileiro e econômico cubano teriam pelos mandatários dos dois países sido colocado como imperativo.

Se esta restrição teria respaldo nos riscos dos médicos cubanos acompanhados de seus familiais terem condições de imigração definitiva para o Brasil, à revelia do interesse arbitrário de Cuba, ou de conquistarem direitos de nacionalidade brasileira pela geração de prole nascida no Brasil, isto poderia ser objeto de cláusula específica contratual. Mas o Governo do Brasil admitir a contratação dos médicos de Cuba sem que eles possam, como os dos demais países participantes, vir acompanhados de seus respectivos familiais, soa um absurdo social contra a harmonia pessoal dos mesmos, profissionais e familiais. Uma agressão econômica em nome de premissas socialistas, contra o direito de convívio social de profissionais e familiais. "Em nome da amizade Brasil-Cuba", de forma ironicamente admissível. Ou simplesmente sob a égide de critérios socialistas adotados pelos dois Governos, em que a família, que é reconhecidamente "a célula-mater da sociedade", fique politicamente em segundo plano. Senão mesmo em integralmente irrelevante consideração. Quando o caso é de prover temporariamente "socorro profissional à população do Brasil"... Que se melhor administrado poderia sem dúvida não precisar de nada disso.