Páginas

domingo, 16 de julho de 2017

Hora de Oração, Oração! E Frutos!




Hoje como de costume participei da Santa Missa "nossa de cada Dia do Senhor"! No caso da maioria dos cristãos, o Domingo, Dia da Ressurreição de Jesus, o Cristo, o filho ungido amado de Deus! E de Maria Imaculada! Predestinada a ser assim de acordo com o que nos testificam as Sagradas Escrituras! 

Bem, antes do início, tive grata surpresa de ver um irmão no discernimento da santa fé fazendo as orações diante do Santíssimo presente na Eucaristia. Logo após fazer as minhas! E ao ver o mencionado irmão, com quem desde então iniciei amizade, notei que o mesmo estava de bermuda! Mas tal pelo fato de ter em sua perna esquerda tatuada uma imagem de espetacular e singela expressão de fé e união compromissada com os seus valores essenciais que nós comungamos. A imagem apresentada nas fotografias que ilustram o presente artigo.

Como resultado de uma maravilhosa condição de fervor no discernimento religioso que temos e que a comunidade em que vivo há 25 anos tem, a Missa de hoje foi de tal maneira rica em expressões e sentimentos de valores divinos, que acabei postando o seguinte texto em meu perfil social no Facebook:

"Bom dia!

Acordei com o despertador programado para o horário da Missa! Da qual cheguei agora! E, exatamente assim, QUE DELÍCIA DE MISSA...! Abençoada...! Repleta de bençãos e graças! Em que revi e congratulei-me ardentemente com vários bons e maravilhosos amigos, conheci alguns novos de muito valor, e até com Nosso Senhor e Nossa Senhora, e também com o Pai Nosso e o Espírito Santo houve momentos especialmente diferenciados! Alegrias especiais de todos nós! Até quando cheguei em casa e reverenciei a Santíssima Família Real Celeste entronizada a bem...!

Acordei na hora certa, fiz o que deveria fazer, e colhi os frutos! Colhi e reconheci ao menos um pouco o que as pessoas mencionadas também colheram! Do que plantamos, cada um de nós...!

Beijos e abraços, segundo o personalizadamente cabível e apropriado...!

Bom Dia do Senhor!"

Durante e depois da Missa tive extraordinárias oportunidades de reencontrar vários amigos. De cujos acalorados encontros, que dinheiro nenhum pode comprar, cheguei em casa ainda radiante! Rejubilante diante do Senhor! Uma maravilha sem par!

Mas não deixei de observar a atenciosa atitude de um dos amigos que tive o prazer de então cumprimentar. Com certa e reverente postura solidária ao que estimo estar vivenciando em necessidades de soluções sociais! Pelo que vi necessário partilhar um importante aspecto que deve reger nossa postura diante de Deus. Em especial aos momentos por Ele prescrevidos dedicados à expressão de nossa fé e união em virtude de Suas graças.

Durante tais reuniões e demais momentos de adoração, culto e louvor, apesar de termos todos nossas "cruzes", nossos problemas pessoais por serem solucionados e assim superados, devemos estar concentrados em Deus! Ele nos conhece, nos provê tudo de bom que podemos usufruir. Espiritual e materializadamente! Ele é Onisciente, Onipotente e Onipresente. Sabe tudo de nós, passado e presente. E antevê o futuro a nós possível segundo nossos contextos. E assim também conhece todas as necessidades que individual e socialmente temos. Para nós e todos os que particularmente queremos bem! De que, na hora da graça, da oração, individual ou em comunidade, nada mais importante e valioso há a fazer senão nos concentrarmos prioritariamente nisto! De acordo com o a nós socioambientalmente possível! Os nossos problemas temporais, que também são de Deus, pelo interesse que Ele tem em nós, são assim reforçadamente parte do interesse divino a que sejam resolvidos! E o poderão, de acordo com o disposto por Ele na matemática da Sua sabedoria! Para que todos nós sejamos felizes, perfeita e santamente! Jamais tolinhos...!

Quando orarmos, em casa, na Igreja ou em agrupados em outros locais, estarmos concentrados em Deus é essencial para nossa felicidade. Para nossa oração, tranquila e serenamente, em corações e mentes, frutificar a bem! Alegres ou tristes, abastecidos ou carentes, se não estivermos concentrados em Deus ao nos dirigirmos a Ele ou em Sua virtude, estaremos como que reunidos com amigos digitando textos no celular! Não pode ser assim...!

Problemas seculares devem ser solucionados quando não estivermos em oração! hora de orar, orar; hora de trabalhar, trabalhar! "Ora et labora." Ora mas labora! Fé sem obras de nada vale! "Há tempo para tudo", diz o Senhor!

terça-feira, 4 de julho de 2017

Se o diabo pudesse... | If the devil could...

Se o diabo pudesse ter braços, pernas ou troncos vivos que cada ser humano tem, e viver a condição humana como nós o podemos, decerto a viveria. Porque cada ser humano, cada um e nós, em que temos o Espírito Santo de Deus perseguindo até o maior dos pecadores para que se converta e viva, podemos ser salvos a viver em plenitude no Paraíso Divino. 
 
Mas não o pode... Já está condenado... Cada ser humano, portanto, dê valor ao potencial de salvação que tem... Deus nos ama sem acepção de pessoas. Independente da condição ou história individual de cada um de nós. Deus quer a cada um de nós salvos do inferno ao qual o demônio, que é um anjo, mas um anjo rebelde, está fadado... Ele não pode mais converter-se, apesar de crer no Evangelho e ter fé em Deus... Ele praticou e faz praticar obras ruins... 
 
Não desperdicemos nossas condições, ou ficaremos arrependidos tal qual ele... Ou melhor, pior que ele... Ficaremos nas mãos dele... O melhor ainda é podermos viver e fazer viver o amor e a vida em plenitude por Cristo, com Cristo e em Cristo... Felicidade maior não há... E Seus santos dão testemunho disto tudo... E todos os eleitos de Deus ao Paraíso...!
 
------- English Version -------

If the devil could have live arms, legs, or trunks that every human being has, and live the human condition as we can, he would surely live it. Because each human being, each one of us, in whom we have the Holy Spirit of God persecuting even the greatest sinner to convert and live, we can be saved to live in fullness in the Divine Paradise. 
 
But it can not ... It is already condemned ... Every human being, therefore, gives value to the potential of salvation that has ... God loves us showing no partiality. Regardless of the individual condition or history of each of us. God wants each of us saved from hell to which the devil, who is an angel but a rebellious angel, is doomed ... He can not convert, even though he believes in the Gospel and has faith in God ... He has practiced and done evil deeds ... 
 
Let's not waste our conditions, or we will be as repentant as he is ... Or worse, worse than him ... We will be in his hands ... The best is still to live and to live Love and life in fullness through Christ, with Christ and in Christ ... There isn't greater happiness ... And His saints bear witness to all this ... And all the elect of God to Paradise ...!

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Sobre Preferências Civis Por Governos Militares


Imagem: http://www.cidadaopg.sp.gov.br/imprensa/fotos/?p=273955

Quando civis admitem que militares inspiram mais seriedade que civis, admitem a própria acomodação ou limitação concernente a toda responsabilidade que isto envolve. Inclusive quanto a disposição para exercício responsável de atividades de moral e civismo. Admitem que entre determinada população em que eles se encontram, militares teriam mais moral e respeitabilidade que civis, inclusive dos que isto admitem, para tratar de assuntos de interesse de todos, civis e militares.

O que os militares poderiam pensar dos civis que acomodadamente não se envolvem como o poderiam, como que transferindo a militares a responsabilidade moral e cívica que é também de civis...? Civis sérios, politicamente respeitáveis? Decerto, nem tanto quanto militares... 

 
Imagem: http://www.imagens.usp.br/wp-content/uploads/1512201495anosfmvzfotomarcossantos017-240x135.jpg

Isto serve para cada civil que num estado democrático de direito prefere pensar em opções militares para gestão da política. Embora todos nós, ao menos por ocasião da apresentação e despedida ao serviço militar obrigatório, tenhamos jurado à bandeira nacional... Embora todos nós, em solenidades cívicas que o tenham justificado, tenhamos nos perfilado cantando ou honrando o hino nacional brasileiro... Ao lado de militares... Bonito, não é...? Sem nenhum desprezo pela qualidade militar por excelência, em quem temos bons exemplos, comodismo civil nisto também não seria uma vergonha...?

sábado, 10 de junho de 2017

Para mim, o que o Brasil é?


Imagem: http://www.recadoseglitters.com/brasil7/

Para mim, é o mais importante País que há. É o meu País... Invejado por muitos, perturbado por muitos, e valioso para todos os brasileiros... Com ordem e progresso, com desordem e retrocesso, de qualquer maneira, é o meu País. Valioso para mim e todos os brasileiros... 
 
Imagem: http://tourdaexperiencia.blogspot.com.br/

É nele que temos gestão e mando de campo. Mesmo que negligenciado isto por muitos de nós... Em condutas e esforços científicos, econômicos, familiais, individuais, políticos, religiosos e sociais... Mas não por todos... Há muitos que são exemplos de vida para que esta Terra por eles e a grande maioria de nós bem querida possa responder a bem como uma mãe gentil pátria amada Brasil...!

domingo, 14 de maio de 2017

"Ferrado, ferrado e meio...?!" Eu, hein...!!!

Refletindo no início do dia sobre os bens e os males que enfrentamos ou podemos realizar na vida, lembrei daquela velha expressão: "ferrado..., ferrado e meio", que poderia ser plenamente definida como: "danado, danado e meio"...!

Lembrei então que somente pode se permitir a exercitar isto em absoluto é quem já não pode mais considerar para si uma esperança de salvação. Quem fez tanto mal que portanto não tem mais chance de participar da vida em plenitude no Paraíso de Deus...

Está explicado porque o diabo não para de fazer o mal. Praticando e estimulando a que se faça isto de todas as formas possíveis... Ele não tem mais chance... Desvairado por isto, cônscio da realidade ruim em que vive, e de tudo o que poderá vir a sofrer por conta de suas maldades, pratica e faz praticar o que aprisiona e destrói a qualidade de vida humana... Reduzindo as condições de realização das metas de Deus para o Paraíso...

Não faça isto, não participe disto... Não fique igual a ele, você também... Viva e faça viver...! Seja e faça ser feliz...!

domingo, 7 de maio de 2017

O INFERNO EXISTE, SIM..



Há alguns instantes partilhei este conteúdo na linha do tempo do meu perfil social no Facebook. Após tê-lo visto publicado por uma amiga na página do grupo de devotos da Divina Misericórdia. É tão importante e valioso que resolvi publicá-lo também aqui.

TEXTO SUPER IMPORTANTE PARA A NOSSA SALVAÇÃO, ESPERO QUE TODOS LEIAM!!!

Quem tem fé, entretanto, na vida eterna (e talvez até seja devoto da Divina Misericórdia), atente-se bem às palavras dessa santa religiosa, que recebeu de Deus o privilégio de visitar o inferno: "Estou escrevendo isso por ordem de Deus, para que nenhuma alma se escuse dizendo que não há Inferno, ou que ninguém esteve lá e não sabe como é"; "Eu, Irmã Faustina, por ordem de Deus, estive nos abismos do Inferno para falar às almas e testemunhar que o Inferno existe". O testemunho de Santa Faustina é dirigido a nós, homens céticos e incrédulos do século XXI!

Escutemos o apelo que a Misericórdia Divina nos faz e, temendo a principal pena do inferno, que é "a perda de Deus", aprendamos a evitar o pecado, que nos faz viver a amargura e a infelicidade ainda nesta vida.

Hoje conduzida por um Anjo, fui levada às profundezas do Inferno. É um lugar de grande castigo, e como é grande a sua extensão. Tipos de tormentos que vi: o primeiro tormento que constitui o Inferno é a perda de Deus; o segundo, o contínuo remorso de consciência; o terceiro, o de que esse destino já não mudará nunca; o quarto tormento, é o fogo, que atravessa a alma, mas não a destrói; é um tormento terrível, é um fogo puramente espiritual aceso pela ira de Deus; o quinto é a contínua escuridão, um horrível cheiro sufocante e, embora haja escuridão, os demônios e as almas condenadas vêem-se mutuamente e vêem todo o mal dos outros e o seu; o sexto é a continua companhia do demônio; o sétimo tormento, o terrível desespero, ódio a Deus, maldições, blasfêmias. São tormentos que todos os condenados sofrem juntos, mas não é o fim dos tormentos. Existem tormentos especiais para as almas, os tormentos dos sentidos. Cada alma é atormentada com o que pecou, de maneira horrível e indescritível. Existem terríveis prisões subterrâneas, abismos de castigo, onde um tormento se distingue do outro. Eu teria morrido vendo esses terríveis tormentos, se não me sustentasse a onipotência de Deus. Que o pecador saiba que será atormentado com o sentido com que pecou, por toda eternidade. Estou escrevendo isso por ordem de Deus, para que nenhuma alma se escuse dizendo que não há Inferno, ou que ninguém esteve lá e não sabe como é.

Eu, Irmã Faustina, por ordem de Deus, estive nos abismos do Inferno para falar às almas e testemunhar que o Inferno existe. Sobre isso não posso falar agora, tenho ordem de Deus para deixar isso por escrito. Os demônios tinham grande ódio contra mim, mas, por ordem de Deus, tinham que me obedecer. O que eu escrevi dá apenas a pálida imagem das coisas que vi. Percebi, no entanto, uma coisa: o maior número das almas que lá estão, é justamente daqueles que não acreditavam que o Inferno existisse. Quando voltei a mim, não podia me refazer do terror de ver como as almas sofrem terrivelmente ali e, por isso, rezo com mais fervor ainda pela conversão dos pecadores; incessantemente, peço a misericórdia de Deus para eles. "Ó meu Jesus, prefiro agonizar até o fim do mundo nos maiores suplícios a ter que Vos ofender com o menor pecado que seja."
[...]
Hoje ouvi as palavras: No Antigo Testamento, Eu enviava Profetas ao Meu povo com ameaças. Hoje estou enviando-te a toda a humanidade com a Minha misericórdia. Não quero castigar a sofrida humanidade, mas desejo curá-la estreitando-a ao Meu misericordioso Coração. Utilizo os castigos, apenas quando eles mesmos Me obrigam a isso, e é com relutância que a Minha mão empunha a espada da justiça. Antes do dia da justiça estou enviando o dia da Misericórdia. Eu respondi: "Ó meu Jesus, falai Vós mesmo às almas, porque as minhas palavras são insignificantes. [3]

Fonte: Diário de Santa Faustina, n. 741 e 1588.

domingo, 30 de abril de 2017

Somente há Santos Católicos Confiantes na Justiça Divina

Há algum tempo tenho tido a honra de ser contemplado por clérigos católicos com ricas referências sobre a santidade. Sobre nossas potenciais condições de sermos santos. E portanto de virmos a ser reconhecidos assim! O que é-nos dado somente por virtude das graças divinas no discernimento da santa fé vivenciada entre nós!

Sem que isto signifique que a santidade é possível somente segundo o vínculo formal para com a Igreja, ou mesmo que este vínculo garanta a condição de santidade, importante e valioso é sempre refletirmos com probidade sobre a realidade da vida santa diante de Deus.

Sobre todos os santos, católicos canonizados ou não, nenhum deles assume a condição santa sem considerar a justiça divina. Não há, na comunhão dos santos, e também na comunhão dos santos angélicos, um só ignorante quanto ao que é importante e valioso. Não há um único alienado quanto ao fato de que a atitude e a vida santa somente se justifica se temos confiança na justiça divina. No que temos diversas referências, algumas ricas a nós dadas na instituição do culto à Divina Misericórdia:

  • "Entretanto, virá o dia do Senhor como ladrão. Naquele dia os céus passarão com ruído, os elementos abrasados se dissolverão, e será consumida a terra com todas as obras que ela contém." (2Pedro 3, 10)
  • "O sol se converterá em trevas e a lua em sangue, antes que venha o grande e glorioso dia do Senhor." (At 2, 20)
  • "(...)sim, o dia do Senhor será trevas e não claridade, escuridão, e não luz." (Am 5, 20)
  • "Hoje estou enviando-te a toda a humanidade com a Minha misericórdia. Não quero castigar a sofrida humanidade, mas desejo curá-la estreitando-a ao Meu misericordioso Coração (...) Antes do dia da justiça estou enviando o dia da Misericórdia" (Diário de Santa Faustina, 1588)
  • "Os dois raios (na imagem) representam o Sangue e a Água: o raio pálido significa a Água que justifica as almas; o raio vermelho significa o Sangue que é a vida das almas. Ambos os raios jorraram das entranhas da Minha misericórdia, quando na Cruz o Meu Coração agonizante foi aberto pela lança (...). Feliz aquele que viver à sua sombra, porque não será atingido pelo braço da justiça de Deus" (Diário, 299) 
  • "Diz aos pecadores que ninguém escapará ao Meu braço. Se fogem do Meu misericordioso Coração, hão de cair nas mãos da Minha justiça. Diz aos pecadores que sempre espero por eles, presto atenção ao pulsar dos coraçãos deles, para ver quando batem por Mim. Escreve que falo a eles pelos remorsos da consciência, pelos malogros e sofrimentos, pelas tempestades e raios; falo pela voz da Igreja e, se menosprezarem todas as Minhas graças, começarei a Me zangar com eles, deixando-os a si mesmos, e dou-lhes o que desejam" (Diário, 1728)
  • "Nesse tempo o Senhor concedeu-me muitas luzes, para conhecer os Seus atributos. O primeiro atributo que o Senhor me deu a conhecer foi a Sua santidade. Essa santidade é tão elevada que tremem diante d’Ele todas as potestades e virtudes. (...) A santidade de Deus derrama-se sobre a Sua Igreja e sobre toda a alma que nela vive, embora nem sempre com a mesma intensidade. Existem almas inteiramente divinizadas, enquanto há outras que apenas vivem. O Senhor concedeu-me também o conhecimento do segundo atributo — o da Sua justiça. E esta é tão imensa e penetrante que atinge o fundo do ser e tudo diante d’Ele é manifesto em toda a nudez da verdade, e nada Lhe pode resistir. O terceiro atributo é o Amor e a Misericórdia. E compreendi que o Amor e a Misericórdia é o maior atributo. É ele que une a criatura ao Criador. E reconhece-se este imenso amor e o abismo da misericórdia na Encarnação do Verbo, na Sua Redenção; e foi aqui que reconheci que este é o maior atributo em Deus" (Diário, 180)
  • "Oh! que grandes graças concederei às almas que recitarem esse Terço. (...) Anota estas palavras, Minha filha, fala ao mundo da Minha misericórdia, que toda a humanidade conheça a Minha insondável misericórdia. Este é o sinal para os últimos tempos; depois dele virá o dia da justiça. Enquanto é tempo, recorram à fonte da Minha misericórdia, tirem proveito do Sangue e da Àgua que jorraram para eles" ( Diário, 848)
  • "31. Quando o Filho do Homem voltar na sua glória e todos os anjos com ele, sentar-se-á no seu trono glorioso. 32. Todas as nações se reunirão diante dele e ele separará uns dos outros, como o pastor separa as ovelhas dos cabritos. 33. Colocará as ovelhas à sua direita e os cabritos à sua esquerda. (...) 41. Voltar-se-á em seguida para os da sua esquerda e lhes dirá: - Retirai-vos de mim, malditos! Ide para o fogo eterno destinado ao demônio e aos seus anjos." (Mateus 25, 31-41)

Vemos, portanto referências objetivas providenciadas por Deus a que consideremos a Sua justiça e não somente "a sua bondosa misericórdia". Que também faz parte da Sua justiça. Pela qual é e foi-nos concedido aspirar à vida de plena felicidade na paz do Paraíso. 

Sem isto tudo, nenhum ser humano teria justificativa para procurar e promover a santidade. Própria e de todos os que possa alcançar, sensibilizar. Por seu testemunho em atitude, estilo de vida e honra às instruções divinas. Inclusive às da Lei. Que Jesus veio para confirmar. 

Deus é santo. E perfeito. E assim justo. E não perdoa aqueles que não abraçam o amor. Que tem como essência a equidade e a justiça. Não pensemos que a santidade apregoada e vivenciada é dada porque os que a defendem são "bonzinhos"... São todos justos... Justos inclusive para cumprir as instruções divinas quanto às necessidades práticas da vida social da humanidade. Como, por exemplo, aquela que diz: "15. Se teu irmão tiver pecado contra ti, vai e repreende-o entre ti e ele somente; se te ouvir, terás ganho teu irmão. 16. Se não te escutar, toma contigo uma ou duas pessoas, a fim de que toda a questão se resolva pela decisão de duas ou três testemunhas. 17. Se recusa ouvi-los, dize-o à Igreja. E se recusar ouvir também a Igreja, seja ele para ti como um pagão e um publicano." (Mateus 18, 15-17) Isto implica, ao termos a Igreja aqui referida, em que a mesma, através de seus clérigos e religiosos consagrados, tem como obrigação ouvir os fiéis sobre os problemas da vida secular. De justiça sobre as coisas seculares. Não somente atendo-se "à justiça divina". A justiça divina é com Deus...

Todos os santos da Igreja consideram isto tudo. Devidamente... Por isto são firmes, perfeitamente...